Leitor pergunta: Comprar um Mac Mini vale a pena?

O leitor José Eduardo (jeacarvalho@...) pergunta:

Augusto, acompanho você no Br-Linux e no Efetividade há tempos. Boa notícia esse canto para o Mac. Estou querendo iniciar minha vida de mac "maníaco", mas preciso ir com calma ($$). A opção do Mac mini me atende no momento, mas tenho as seguintes dúvidas: (1) Teclado e Mouse: Funciona qualquer um? Andei lendo e não parece que o uso dos teclados / mouses para Windows são "diretos"... Se tiver que usar o par teclado / mouse bluetooth da Apple encarece e um iMac "inicial" vai ficando mais "próximo" - Lembrando que ainda tenho q comprar um monitor. Se tiver q usar o par Apple, a diferença (com monitor comprado) vai ficando próxima de 1000, o que "compensaria" o processador mais parrudo e mais memória do iMac... 2 - Monitor: Qualquer um via DVI, certo?

A questão é interessante, e quero começar contando que eu tenho uma história pessoal com o Mac Mini para compartilhar e que ajuda a responder a dúvida do José Eduardo: no final de 2009, movido pela intensa frustração com um PC que se recusou a funcionar num fim de semana em que eu precisava muito dele, peguei o Mac Mini que estava na sala e servia como central de entretenimento e coloquei-o como desktop no meu home office.

Era para ser uma solução rápida até poder consertar o outro PC na segunda-feira, mas em vista do resultado acabou ficando permanente: o Mac Mini (modelo 2009, a geração final antes dos atuais Mac Minis com o gabinete unibody) ficou como desktop por pouco mais de um ano, rodando valente tudo que eu precisei (até mesmo o Ubuntu!).

Hoje ele voltou a ser media center, e foi sucedido na minha escrivaninha por um iMac. Mas durante seu tempo de serviço como desktop, ele funcionou com o teclado, mouse e monitor que eu já tinha na mesa, e que antes estavam conectados ao PC anterior, sem problemas nem sustos.


Mac Mini, modelo pré-2010

Se o teclado e o mouse forem USB, vão funcionar sem problemas. Mas é interessante que o seu teclado tenha o layout ABNT (ou outro que seja padronizado) e inclua a tal "tecla Windows", que o Mac OS X automaticamente usará no lugar da essencial (para seus usuários) tecla ⌘ ("Command"). Talvez você tenha que investigar um pouco nas preferências do Mac (tanto em Teclado quanto em Internacional e Idioma) até a acentuação ficar do jeito que você está acostumado (não faltam tutoriais para isso, se precisar!), mas é provável que em poucos minutos o teclado passe a ser a ferramenta eficiente de sempre.

Com o mouse a situação é similar: ele funciona imediatamente mas "do jeito Mac". Tem um monte de opções para você ajustar, quanto ao funcionamento do segundo botão, velocidade de arrasto e clique, e mais - também tudo acessível pelas preferências do sistema.

Vale destacar, entretanto, que o teclado da Apple (mesmo a versão USB, com fio) tem suas comodidades - teclas de funções e de controle realmente úteis e funcionais, por exemplo, e o fato de funcionar como discreto um hub USB - e que o Magic Mouse e Magic Trackpad também têm funcionalidades touch interessantes. A ausência deles não prejudica a tua experiência com o Mac Mini, e os recursos extras talvez não justifiquem o preço salgadíssimo, mas é bom destacar que eles são mais do que belos designs em periféricos Bluetooth ;-)

Um monitor DVI funcionará com o adaptador que já vem na caixa dos Mac Minis atuais, mas se você já tiver um monitor VGA, pode comprar um adaptador para ele também - certamente é bem mais barato do que trocar de monitor só por causa disso. E nos Mac Minis atuais (unibody), uma porta HDMI também está presente.

 O que é que o Mac Mini tem

Para ficar completa a resposta, falta mencionar a geração atual (unibody) dos Mac Minis. Hoje temos aqui em casa um deles atuando como desktop (mas não é o meu), e eu de vez em quando o uso. As especificações são adequadas a um modelo mini, e não se comparam aos iMacs ou ao MacBook Pro, por exemplo: Core 2 Duo de 2.4GHz, 2GB de RAM, 320GB de disco, nVidia GeForce.

Hoje uso no home office um iMac, que dá um banho em processamento e I/O (fica evidente na hora de fazer um encoding de vídeo, por exemplo, ou de compilar alguma coisa, ou mesmo de virtualizar algum sistema operacional), mas o ano em que usei um Mac Mini no meu desktop foi de muita tranquilidade para realizar todas as minhas tarefas (inclusive as mencionadas acima, embora com menos desempenho). Para rodar o processador de texto, a planilha e o navegador, foi sempre um sucesso.

Segundo a Apple ele brilha no consumo de energia: 9W quando idle, 1,5W quando estiver suspenso. Esse modelo, que é o lançado no ano passado, tem fonte de alimentação dentro do gabinete, ao contrário dos anteriores, que tinham uma fonte tijolo no cabo de alimentação.

O drive de CD e DVD é do tipo ranhura, e o painel traseiro tem as portas usuais: Ethernet, Firewire, vídeo (2 saídas independentes: HDMI e mini display port, sendo que para esta segunda, que é de 2560x1600 pixels, vem um adaptador DVI incluso), 4 portas USB 2.0, leitor de cartões SD, áudio (line in e line out/headphone, ambos em formato analógico com conectores comuns, mas também suportando cabo mini TOSLINK para áudio digital - e a porta HDMI também tem saída de áudio, claro).

Ele chega pre-instalado (Mac OS X e iLife), então é só conectar aos teus periféricos, ligar na tomada, conectar à sua rede WiFi (ou com cabo Ethernet) e usar!

Comentar

Comentários arquivados

Artigos recentes: