Plex: um media center completo no seu Mac

O Plex, software gratuito (e open source em boa parte do seu código) para aplicações de media center no Mac, iPhone e iPad (e outras plataformas), já é tradição no Mac, e acaba de lançar sua nova versão 1.1 para o iOS (iPad e iPhone), trazendo uma série de novidades interessantes.

E a receptividade de vocês ao post de ontem sobre como exibir no Playstation 3 os vídeos do seu Mac, aliada ao lançamento do VLC novo pra iOS, acabaram gerando as condições necessárias para tratarmos deste programa essencial no Mac.

O Mac é bem servido por aplicativos de controle de mídia, capazes de transformar o Mac Mini, ou o MacBook, ou mesmo o iMac, em um Media Center ou Home Theater PC (HTPC) à altura do que o mercado oferece, tanto em funcionalidades quanto em desempenho e estabilidade.

Minha preferência pessoal é o programa open source XBMC, já mencionado em um post anterior sobre apps de código aberto no Mac, mas os próprios comentários daquele post deixaram claro que o Plex (que começou como um derivado do XBMC) é a preferência de muitos outros usuários - e a nova versão ajuda a deixar clara a razão.

O Plex é uma solução de media center bastante completa e integrada, que você pode usar no Mac de formas variadas: por exemplo, em um Mac Mini para ver filmes ligado à TV da sala via cabo HDMI, em um MacBook para assistir suas coleções de seriados em um longo vôo, e outras combinações. Eu tenho ele instalado no iMac do meu home office, com uma pequena coleção de filmes que transferi para o computador nos últimos anos e que ainda não assisti ou às vezes gosto de rever.

Como a interface com o usuário é projetada para telas de alta definição, seu uso é bastante confortável - seja pelo teclado ou usando o Apple Remote. Assim como seus concorrentes mais próximos, o Plex tem suporte à maioria dos formatos de vídeo e áudio que você poderia imaginar (e capacidade de exibi-los em Full HD 1080p, se sua CPU suportar), além de integração com aplicativos como iTunes e iPhoto, facilitando a localização do conteúdo que você já tem no computador.

Na hora de organizar coleções de filmes e seriados, o Plex dá um show: por ter acesso nativo a uma série de bases de dados públicas na Internet, ele automaticamente encontra (e exibe com categoria) as artes das capas, sinopses e outros complementos que ajudam a tornar mais completa a experiência de interagir com seus materiais multimídia - permitindo inclusive modos alternativos de visualização: por gênero, ano de produção, diretor e mais. O mesmo vale - com as limitações naturais - para a sua coleção de músicas.

Depois que está tudo organizado, a navegação pela coleção se torna um prazer em si, mesmo antes de começar a assistir algo. Quando você acessa a coleção de vídeos de um seriado de TV, por exemplo, ouve ao fundo (e discretamente) o seu tema musical, e a seleção em si mostra riqueza de detalhes sobre cada episódio: título completo, duração, classificação (1 a 5 estrelas), autor, diretor, imagens, sinopse e mais.

Com os filmes a história é similar: imagem da capa, riqueza de detalhes, e vários modos de navegação ajudando a escolher o que se deseja assistir.

Além disso, ele tem várias características que excedem o que eu espero de um media center, incluindo acesso a uma série de fontes de vídeos on-line, variadas formas de streaming, acesso via web e até o seu próprio Media Server.

Há ainda um ótimo complemento na forma da versão para iOS (iPhone e iPad), que além de acessar suas coleções de filmes, seriados e músicas armazenados no Mac, permite assisti-los na tela do iPhone ou iPad, e ainda usar estes aparelhos como controle remoto ao assistir no próprio Mac.

O Plex para Mac é gratuito, e a versão para iOS sai por 5 dólares. Se você pensa em levar seu MacBook para a sala e ligá-lo à TV, 2 complementos interessantes podem ser um adaptador de Mini DisplayPort (ou seja qual for a saída de vídeo do seu MacBook) para HDMI, e um Apple Remote.

Comentar

Comentários arquivados

Artigos recentes: