Lançamento confirmado: O que esperar do Mac OS X Lion, iOS 5 e iCloud?

Acabando com alguns rumores e dando início a uma série de outros, a Apple hoje anunciou oficialmente ao público em geral quais serão as tecnologias anunciadas em seu evento WWDC no próximo dia 6 de junho: o Mac OS X Lion, o iOS 5 e o iCloud.


A presença do licenciado Steve Jobs também foi confirmada, o que certamente atrairá maior atenção da mídia para o momento.

Os rumores não se encerram com a confirmação porque essa é a natureza da Apple: ela joga com as expectativas da imprensa e do público, que já se acostumou a saber que já que ela pré-confirmou uma série de produtos para o evento, provavelmente está guardando mais um na manga, para um slide cujo título tradicional é “one more thing...”, como se fosse algo de menor importância, lembrado na última hora – itens como o MacBook Air ou o FaceTime já foram anunciados assim.

Mas agora que já temos confirmações, começa também uma outra série de rumores: quando estarão disponíveis e quais serão as surpresas do Mac OS X Lion (que em linhas gerais já foi bastante divulgado) e, especialmente, do iOS 5 e do iCloud.

Mac OS X Lion

Sobre o Mac OS X Lion a Apple expôs várias versões preliminares para desenvolvedores, assim bastante coisa já se sabe e nós já falamos bastante sobre elas em um post anterior, o que torna desnecessário apresentá-lo novamente: no post Mac OS X Lion você encontra detalhes sobre as maiores novidades já divulgadas sobre a nova versão, incluindo itens como:

  • Airdrop: transferência simples de arquivos entre Macs próximos
  • Controle automático de versão de documentos
  • Filevault com recurso de criptografar o disco inteiro

  • Launchpad e Mission Control, evoluções da Dock, do Exposé e do Spaces para gerenciar apps, janelas e áreas de trabalho
  • Aplicativos em tela cheia em modelo similar ao adotado no iPad
  • Integração dos recursos que tradicionalmente seriam de uma versão “Server”

Além de vários outros detalhes que você encontra lá no nosso post específico sobre o Lion.

iOS 5

Mas sobre o iOS 5 paira a névoa do mistério, criada por expectativas, boatos e suposições.

Longe de mim dizer que sei quais serão as novidades da nova versão. Seja o que for, provavelmente vai surpreender tanto pelo que será anunciado, quanto pelo número de vaporosas “certezas” de experts que deixarão de se concretizar.

Mas, assim como todo usuário que acompanha este produto com atenção, eu tenho algumas expectativas para a próxima versão do sistema operacional do iPhone e do iPad, que compartilho com vocês para que possam torcer junto comigo.

A primeira delas é o sistema de notificações. O modelo atual, em que elas se sobrepõem ao que você estiver fazendo e exigem a interação do usuário para sumir, é incômodo, arcaico, bem abaixo da qualidade oferecida pela concorrência e ainda por cima pode ser perigoso, como qualquer pessoa que tenha recebido uma mensagem na tela enquanto usava o iPhone para acompanhar um mapa em um trânsito complicado pode avaliar.

Se tivermos notificações melhores eu já ficaria satisfeito, mas espero bem mais. Em especial, espero poder ter Widgets, como as do Dashboard do Mac OS X, ou como os usuários do Android (e de iOS com jailbreak) têm faz tempo.

Não é pedir demais poder colocar a lista de tarefas pendentes do dia na tela de travamento do iPhone, ou a previsão do tempo ocupando o espaço de 4 ou 6 ícones de apps na home screen do iPad, certo?

Widgets para isso, para acompanhar o Twitter, ou exibir o calendário do mês corrente, ou o que os desenvolvedores criativos imaginarem (e os usuários quiserem instalar) seriam algo muito bem-vindo, mesmo que consumam um pouco mais de bateria e compliquem um pouco mais a interface. Mesmo que existam telas específicas para widgets, já será melhor do que nada.

Com essas duas alterações eu já ficaria muito satisfeito. Se a Apple quiser implementar as interações mostradas nestes vídeos conceituais,  me dar mais alguns recursos de reconhecimento de voz, ensinar o AirPlay a fazer truques com cartas, ou usar a meu favor no trânsito as informações de georeferenciamento que ela coleta, eu também vou ficar satisfeito – assim como provavelmente vou gostar de ver as integrações entre o iOS 5 (e o Mac OS X Lion) ao nosso próximo astro:

iCloud

Objeto de rumores persistentes há um bom tempo e descrito como um sucessor ou expansão do MobileMe e dos serviços on-line do iTunes, o serviço da Apple “na nuvem” virou uma expectativa de muitos, e depois que a compra do domínio iCloud.com pela Apple foi confirmada oficialmente, as especulações a respeito aceleraram ainda mais.

Eu acredito que o iCloud, na forma como será anunciado no próximo dia 6, terá 2 grandes utilidades:

1)   Tornar os atuais serviços do MobileMe (e-mail, contatos, armazenamento, etc.) mais convenientes e acessíveis não apenas para os usuários (especialmente os do iOS), mas também para os desenvolvedores de apps, facilitando a criação de aplicações integradas entre Macs, iPhones e iPads.

2)   Colocar “na nuvem” as coleções de música dos iTunes e iPods dos usuários, de preferência sem DRM nem a necessidade de upload que ocorre no serviço similar recém-anunciado da Amazon. Com opção de download e streaming, e se possível confirmando definitivamente as notícias de que a venda de conteúdo pela iTunes Store chega ao Brasil em outubro.

Além disso, não custa ter um pouquinho de expectativa de que a Apple ofereça alguma vantagem no uso do iCloud que possa ser percebida pelos usuários que hoje preferem trocar o MobileMe pelo Dropbox ou pelo Gmail, por exemplo.

Ou que o iCloud também expanda de alguma maneira substancial o cabedal de serviços do AirPlay, do GarageBand, do iMovie, do iWeb e do iPhoto.

Afinal, sonhar não custa nada!

E vocês, quais as suas expectativas para os 3 produtos pré-confirmados e para o slide do “one more thing”?

Comentar

Comentários arquivados

Artigos recentes: