Apps iPad para estudantes

Ver estudantes usando o iPad na sala de aula da faculdade, pós-graduação ou mesmo do colégio vem se tornando mais comum, e não é para menos: a utilidade potencial dos tablets (e dos smartphones!), quando bem empregados nos estudos, é quase inesgotável.

Isso acontece porque os estudantes que usam bem os seus tablets e smartphones têm sempre à mão um instrumento importante para reduzir o esforço e aumentar o rendimento dos seus cursos – os ingredientes básicos da produtividade.

No dia em que começa oficialmente o segundo semestre, acho oportuno tratar da questão aqui, mas eu também tratei do tema recentemente no Efetividade, embora lá falando especificamente sobre smartphones na sala de aula, e já havia observado a dificuldade de esgotar o tema: é fácil exemplificar utilidades para estes aparelhos durante e após as aulas, mas é difícil tentar fazer uma lista completa, até porque ferramentas versáteis têm usos diferentes para cada pessoa.

 

Por que iPad na aula? A Apple explica

Não é porque é difícil fazer uma lista completa que a Apple vai deixar de expor o que pensa a respeito, e ela o fez com estilo: nesta semana foi ao ar um conjunto de páginas no seu site explicando a utilidade dos seus produtos na sala de aula.

E a página dedicada ao uso do iPad na aula não é nada modesta, listando detalhadamente várias utilidades da tela multitoque, da possibilidade de armazenar e consultar informações, da bateria duradoura, da conectividade e da extensa biblioteca de apps úteis para estudantes.

Há até uma página específica listando apps para estudantes, classificadas por função ou por assunto: aprendizado de idiomas, ciências, geografia, artes e mais.

Mas claro que não é só isso: apps do dia-a-dia que se revestem de utilidades especiais na sala de aula, como o calendário de compromissos ou o sistema de anotações interno (embora eu prefira o Evernote) também receberam um capítulo especial.

Um caso à parte é o dos aplicativos típicos de escritório: processador de textos, planilha e apresentações. Há anos (décadas?) eles firmaram seu pé também no terreno dos trabalhos escolares, e o trio de apps do gênero oferecidas pela Apple (Pages, Numbers e Keynote, respectivamente) também está disponível no iPad e para mim já demonstrou sua utilidade na sala de aula mais uma vez – até mesmo para fazer apresentações, com um adaptador para o cabo do projetor.

 

Outras apps campeãs

Claro que entre o que a Apple diz e a utilidade do mundo real ainda há um complemento que não pode ser desprezado: apps populares extremamente úteis no contexto estudantil mas que a empresa acabou optando por não divulgar junto com as suas próprias eleitas.

Sabendo que é impossível fazer uma única lista definitiva, elenquei a seguir algumas das melhores apps iPad para a sala de aula, e convido os leitores a complementá-la nos comentários:

 

Dropbox: Acesso aos seus arquivos compartilhados do computador (ou do celular), via Internet, com opção de visualizar os formatos de documentos mais comuns sem sair do aplicativo.
 

Evernote: sabemos que o Evernote é uma excelente ferramenta para gerenciar anotações e referências (textos, fotos de documentos, etc.) e até já o mencionamos de maneira detalhada em um post anterior. Para quem tem o iPad 2, entretanto, ele tem 2 diferenciais extras na sala de aula: as anotações feitas com a câmera (uma foto do quadro, de uma transparência ou da anotação de um colega, por exemplo) e o novo recurso Evernote Peek, que usa aberturas parciais da Smart Cover para ajudar na hora de estudar, como você vê no vídeo de 30 segundos acima.

 

Instapaper: coleciona e formata para leitura posterior no iPad (mesmo offline, se você não tiver conectividade na aula) as páginas da web que marcamos (no computador) para “ler mais tarde”. Sua funcionalidade, que já mereceu um post específico aqui no BR-Mac, está em vias de ser absorvida pelo iOS na versão 5, mas resta verificar se vão superar o nível de conforto e praticidade que o desenvolvedor original já alcançou.

 

SimpleNotePenultimate: 2 aplicativos de anotações que dão um banho no que vem incluído no iPad: o primeiro é um bloco de notas tradicional, via teclado virtual, mas dá um show de sincronização (com o iPhone, com o computador, com a web), enquanto o segundo faz algo diferente: aproveita a tela grande e a sensibilidade touch para permitir anotações e diagramas a mão livre, ideais para anotar aulas ou reuniões. Veja também a recém-chegada Wacom Bamboo Paper

 

GoodReader: É o meu leitor favorito de PDF no iPad, como já tratei em um post anterior, servindo para acompanhar não só os documentos que os instrutores distribuem aos alunos, mas também a versão digital de revistas, manuais variados, e até para acompanhar walkthroughs de jogos enquanto aceito algum desafio no PS3 e, eventualmente, para acompanhar alguma receita nova perto do fogão.

 

Things: o Things já mereceu um artigo próprio aqui no BR-Mac por ser uma ótima opção para tirar da sua cabeça a necessidade de lembrar e priorizar todas as suas tarefas, obrigações, projetos, referências e contextos, substituindo essa necessidade constante de lembrar e priorizar por uma base de armazenamento mais confiável e um processo que permita a consulta a essa base sempre que chega a hora de escolher as próximas tarefas, garantindo também que os prazos sejam atendidos. Parte de sua funcionalidade está em vias de ser absorvida pelas apps default no iOS 5 e iCloud, mas ainda é cedo para dizer como os produtos irão se comparar. Veja também a mais especializada iStudiez Pro.

 

Estas são as minhas preferidas, mas toda a variedade oferecida na App Store também precisa ser levada em conta -  e você pode começar a conhecê-la melhor em nossa lista de apps essenciais para iPad.

Mas é só o iPad?

Claro que não: outros tablets, smartphones, netbooks e notebooks provam sua utilidade na sala de aula todos os dias, quando bem usados, assim como causam a agonia dos professores e dos demais alunos quando abusados por gente sem noção – nas mãos das quais qualquer ferramenta vira instrumento de perturbação de quem está ao redor e quer estudar.

Mas as ferramentas não têm culpa pelo mau uso, e a sua utilidade não é abalada pela existência das pessoas sem noção nem consideração.

Assim, a Apple não se limitou à página sobre o iPad para estudantes: também tem uma sobre os Macs na sala de aula,  e outra ainda só sobre iPhone e iPod Touch.

Pessoalmente uso bastante estes aparelhos para estudar, e é espantoso o quanto as mesmas utilidades se revestem de formas completamente diferentes na sala de reuniões no trabalho, na sala de aula ou em casa, preparando uma apresentação ou estudando para a prova. Recomendo, e o fato de a Apple estar dando atenção oficial ao assunto com páginas específicas no site em português é algo que vejo com bastante otimismo pelo que ainda está por vir.

 

Comentar

Comentários arquivados

Artigos recentes: