Jogos para iPad: Brasil também pode!

Usuários brasileiros encontram uma barreira inesperada na hora de procurar jogos para iPad e iPhone: sejam grátis ou comerciais, eles simplesmente não aparecem nas listagens do iTunes ou da App Store.

Os que aparecem, e não são muitos, têm um segredo: não estão cadastrados como jogos, mas sim na categoria Entretenimento e outras similares. Em uma plataforma que busca se diferenciar pela facilidade de uso, a ausência de uma explicação clara sobre a ausência do Angry Birds ou de vários outros integrantes da lista dos melhores jogos para iPad deixa os usuários confusos.

E o motivo da ausência é simples, embora a solução dependa de alguma das partes envolvidas mudar de interpretação. O resumo da história, conforme ouvi um colegial explicar para outro quando comentavam sobre este assunto na fila do caixa do supermercado, com iPhones em punho, é que "Brasil não pode!"

Mas este resumo não é integralmente correto, portanto vamos à explicação mais completa e a uma dica sobre como resolver: o motivo da ausência da categoria Jogos na App Store brasileira é um impasse jurídico entre o Ministério da Justiça e a Apple sobre como deve ser a classificação indicativa dos jogos disponíveis para venda a menores de 18 anos: a Apple tem um padrão mundial adotado em mais de 80 países, com faixas como "acima de 9 anos" ou "acima de 13 anos", enquanto no Brasil o Ministério adota faixas como "acima de 10 anos" e "acima de 14 anos" - e na ausência de uma solução que agrade a ambos, até o momento as negociações entre o Ministério e a empresa foram infrutíferas, e esta mantém seus jogos fora do catálogo local.

Este impasse de longa data e ainda não resolvido é o que o adolescente que estava na mesma fila que eu relatou ao colega, em sua síntese: "Brasil não pode".

Como "baixar jogos" no iPad no Brasil

Só que há alternativas de contorno, e aí o "Brasil também pode". A primeira delas é só pros autores de jogos: classificar a app de jogo como outra categoria (exemplo: entretenimento), situação na qual o jogo acaba sendo disponibilizado. Este "furo" é aproveitado por vários desenvolvedores locais, e é a razão de alguns jogos estarem disponíveis.

A outra, e que está ao alcance de qualquer usuário de iPhone ou iPad interessado em baixar jogos e que possa afirmar que tem um endereço no país vizinho, é criar uma conta na App Store da argentina, que aceita os cartões de crédito internacionais brasileiros como meio de pagamento, e não tem o mesmo tipo de conflito quanto à classificação etária.

Há ainda uma terceira alternativa, ao alcance de quem puder informar um endereço postal da terra do Tio Sam: criar uma conta na App Store dos EUA, para baixar conteúdos e apps (incluindo jogos) gratuitos ou recorrer a Gift Cards adquiridos de terceiros como meio de pagamento, pois lá eles não aceitam os cartões de crédito daqui.

Esta situação é lamentável, e se torna pior ao perceber que não é apresentada com clareza aos usuários - nem quando compram o aparelho, nem no momento em que pesquisam por jogos que sabem que existem mas não aparecem para eles. As alternativas não são isentas de risco (verifique questões de tributação, condições da fatura do cartão, e os termos de uso da Apple), mas são usadas diariamente por muitos brasileiros, portanto avalie se são do seu interesse - especialmente se você não estiver nas faixas etárias que o Ministério da Justiça busca tão empenhadamente proteger!

Comentar

Comentários arquivados

Artigos recentes: