Backup no Mac: a segurança adicional das ferramentas de cópia na Internet

Veja porque o BackBlaze foi o escolhido para cópias de segurança na nuvem, e conheça outras opções à sua disposição.

Backup é a medida essencial de proteção de dados. Um backup bem planejado e executado, que funcione automaticamente sem que você precise jamais lembrar dele e que seja testado algumas vezes por ano é a segurança de que seus arquivos estarão seguros mesmo que o disco rígido vá para o espaço.

O Mac vem bem servido de uma ferramenta chamada Time Machine, que faz parte do sistema, é fácil de configurar e guarda "ao vivo" em um HD externo (que também pode estar conectado a um roteador AirPort Extreme ou fazer parte de um Time Capsule) as alterações que você vai fazendo nos arquivos, de modo que você pode depois retornar a versões anteriores, além de recuperar o sistema inteiro em caso de catástrofe.

O meu computador de trabalho tem milhares de arquivos importantes para mim, e eu faço backup com o Time Machine (e, um HD conectado ao roteador do escritório) regularmente desde o primeiro dia em que ele entrou em operação. Já foi útil muitas vezes, inclusive para simplificar upgrades de máquinas: é só configurar o novo Mac a partir do backup do anterior, usando para isso uma opção do próprio sistema, e pronto.

Mas backup local só resolve uma parte dos problemas: hipóteses como a de furto, incêndio, inundação, dano elétrico e várias outras continuam podendo comprometer simultaneamente tanto o original quanto o backup, levando a uma situação de difícil recuperação.

Essa é a razão essencial da existência de sistemas de backup remoto ou "na nuvem", em que os dados são copiados contínua e automaticamente para um servidor remoto e ficam à disposição para download futuro.

Diferente de serviços de armazenamento na nuvem como o Dropbox e similares, os serviços de backup na nuvem não armazenam o exemplar de trabalho dos seus arquivos, e sim uma cópia adicional deles. Além disso, eles compartilham a virtude de armazenar todos os arquivos do seu disco (exceto aqueles que forem especificamente excluídos), e não só aqueles que você lembrar de configurar ou de gravar em uma pasta específica.

Minha escolha: BackBlaze, backup automático do disco inteiro a US$ 5 por mês

No início do ano eu testei 3 opções de sistemas de backup remoto (como complemento ao meu backup local) para o Mac, e não tive dificuldade em optar pelo BackBlaze.

Ele armazena continuamente uma cópia criptografada (com minha própria chave, se eu desejasse) de todos os arquivos do meu drive principal e discos externos USB locais, tem opções para gerenciar horários e ocupação máxima de banda para evitar concorrer comigo pela conexão de Internet quando eu a estou usando, guarda por 30 dias versões de arquivos modificados e agora tem até um recurso de localizar meu computador na eventualidade de ele ser furtado e ligado novamente à Internet.

O BackBlaze é discreto, aparecendo como um ícone adicional nas Preferências do seu Mac. Ele é inteligente para conservar a sua conectividade, lidando com arquivos duplicados, comprimindo o que for possível antes de transferir, excluindo automaticamente do backup o próprio sistema operacional, os aplicativos em si e a sua coleção de podcasts do iTunes. Outros tipos de arquivos que você pode ou não querer manter transferindo pela sua conexão de internet, como imagens ISO, máquinas virtuais e outros, podem ser desativados ou ativados nas preferências do programa.

A operação é muito simples, bastando pressionar o botão "Backup Now" e aguardar enquanto o backup inicial é realizado, normalmente a uma velocidade máxima de 2 a 4GB por dia (mas verifique os limites da sua conexão!). Havendo interesse, há uma série de opções de desempenho, exclusão de pastas e tipos de arquivo e muito mais a ser explorado.

Estou usando há vários meses e, após os dias necessários ao backup inicial, que era de cerca de 12GB, ele se tornou praticamente transparente. São US$ 5 mensais bem gastos, na minha opinião.

Outras 2 alternativas que testei (ou tentei) e não aprovei

O fato de eu não ter gostado ou não ter conseguido usar não é razão para você descartar estas alternativas, mas o fato é que a descrição delas me parecia muito interessante, mas a prática não as comprovou.

A primeira delas foi o simpático Carbonite, do qual ouço falar em podcasts e em anúncios na imprensa, sempre com comentários muito positivos. Me esforcei ao longo de 3 dias para testá-lo, em janeiro, mas o site não disponibilizava o download, com uma mensagem de erro informando que minha versão do OS X (que era a versão corrente do Lion, lançado em julho do ano passado) não era compatível.

Até procurei recursos de suporte mas, francamente, quando se trata de uma ferramenta usada para segurança, espero bem mais do que isso no que diz respeito à compatibilidade com as versões correntes dos sistemas operacionais. Talvez a situação já tenha mudado desde então, mas aí fica a dúvida sobre o que acontecerá no próximo upgrade do OS X. Preferi passar.

A outra solução que experimentei foi o Arq, um app nativo do OS X que instalou sem problemas no Lion mas, além de ser mais caro (o app custa US$ 29) deixa nas mãos do usuário as complexidades e custos de lidar com o armazenamento no serviço Amazon S3, para o qual ele é uma interface.

Mesmo assim eu instalei, criei uma conta na instância brasileira do Amazon S3 para aproveitar as vantagens de uma conexão mais próxima e... parei tudo ao ir configurá-la no Arq após descobrir que ele não permitia usar a instância brasileira.

Mais uma vez, é possível que isso já tenha mudado, mas a vantagem de preço do BackBlaze seria um motivo forte para optar por ele ainda assim, caso os seus recursos o atendam.

A preferência dos leitores do LifeHacker

O site LifeHacker perguntou recentemente a seus leitores quais as suas ferramentas de backup remoto no Mac, e o vencedor foi o CrashPlan, compatível com Windows, Mac e Linux e que permite fazer o backup de maneira gratuita, se você já dispuser de espaço de armazenamento em algum servidor remoto, mas não é tão simples de configurar.

Em segundo lugar na lista deles ficou o meu preferido, o BackBlaze, para o qual foram apontadas também várias vantagens.

Backups "na unha" e a importância de testar

Profissionais do ramo e usuários avançados muitas vezes recorrem a backups realizados por meio de scripts criados por eles mesmos, com utilitários como o rsync ou o tar. Não vejo nada de errado nisso, desde que o usuário saiba o que está fazendo, e não se limite a copiar um script que viu em outro lugar e de cujo real comportamento não tem plena certeza!

E, tanto nesses casos como no de ferramentas do tipo apresentado neste post, nunca considere um backup pronto se ele não for testado. Monte cenários de falhas e regularmente teste os backups que está produzindo, para não descobrir tarde demais que uma configuração equivocada lhe negou a chance de recuperar algum arquivo crucial!

Comentar

Comentários arquivados

Artigos recentes: