Novo conector do iPhone 5: mudou para melhor, entenda a razão

Após quase 10 anos mantendo o mesmo conector de 30 pinos para carregar e sincronizar todos os iPhones e iPads (e vários iPods, onde o modelo está presente desde 2003), a chegada do iPhone 5 trouxe consigo um novo formato de conector para seus cabos, com todas as vantagens e desvantagens (incluindo os adaptadores para iPhone 5 que já começam a chegar) que este tipo de medida traz.

O novo formato se chama Lightning e estará presente ao longo da linha: o novo cabo do iPhone 5 também já está presente nos modelos 2012 do iPod Touch e iPod Nano.

Para começar pela coluna das perdas, o principal aspecto negativo de um novo padrão de conector é que uma série de acessórios foram disponibilizados ao longo dos anos para tirar proveito desses recursos do popular conector dock de 30 pinos, e a maioria deles só pode continuar funcionando nos novos aparelhos se você usar um adaptador para o conector do iPhone 5 - e parte dos adaptadores (incluindo HDMI e VGA) ainda não está à venda neste momento.

Há também a questão que não é exatamente uma perda, mas a ausência de uma oportunidade de ganho: não ter sido adotado nativamente um padrão público como o Micro USB. Mas sobre isso (e os aspectos positivos do Lightning em relação ao Micro USB, que ajudam a minorar a perda) já tratamos no artigo anterior.

Novo conector do iPhone: pontos positivos gerais

Evoluir o design dos componentes ao longo dos anos é um processo natural, e mesmo que a Apple não tenha se permitido a mesma variação de conectores que concorrentes como a Samsung (que para melhor atender a seus clientes, em determinado período distribuiu celulares com todos os modelos da imagem abaixo), algum dia o conector lançado em 2003 teria que ser substituído – e quanto maior a espera, maior o acúmulo de acessórios fabricados considerando o modelo antigo.

Além de carregar e sincronizar o iPhone, os conectores dock também têm uma série de outras funções (diretamente ou por meio de adaptadores para outros padrões, como HDMI): transportam sinais de áudio, de controle, de vídeo e mais.

Entre as vantagens mais evidentes do novo modelo estão um iPhone mais fino (o conector é bem menor, e o antigo não caberia no novo modelo) e a independência de posição: o novo conector, chamado Lightning, encaixa e funciona normalmente também se inserido "de cabeça para baixo".

Ele também é mais robusto, potencialmente resolvendo os problemas de usuários que por uma razão ou outra quebravam ou queimavam os cabos e acessórios no momento da inserção ou retirada.

Adaptatividade: As vantagens da alocação dinâmica de pinos

O novo conector do iPhone 5 é descrito como 80% menor que o anterior e tem 8 pinos metálicos expostos de cada lado (para poder ser conectado nas duas posições, ao contrário do que ocorre com o conector antigo ou padrões como o USB, que tem posição única de encaixe para seus 30 pinos), 100% digitais.

No conector anterior de 30 pinos, lançado em 2003 (foto acima), a alocação não era dinâmica, ou seja, cada pino tinha sua função previamente estabelecida: alguns transportavam o sinal USB, outros eram reservados para áudio, controles e outras funções. Ao longo das versões do sistema o uso de cada pino podia mudar (por exemplo, nas primeiras versões alguns pinos eram dedicados a conexões Firewire, e não havia suporte a vídeo HD), mas de modo geral parte dos 30 pinos ficavam sem uso durante a maioria situações.

E a possibilidade de alocação dinâmica permitiu reduzir bastante o tamanho e número de pinos no novo conector. Embora os detalhes técnicos dele não sejam integralmente divulgados, é possível analisar boa parte do seu funcionamento e capacidades a partir do que se sabe, como fez o Rainer Brockerhoff, em cujas conclusões parcialmente me baseio.

Dos 8 pinos (que a Apple descreve como adaptativos), pode-se supor que nas situações mais comuns 1 estará reservado para tarefas de sensor (como no modelo anterior) e que 2 geralmente corresponderão aos pinos de dados do padrão USB (que é de modo geral o padrão de conexão da "outra ponta" nas aplicações mais comuns), restando outros 5 que podem ser mapeados dinâmica e paralelamente para as demais tarefas tradicionalmente realizadas via Dock: vídeo, áudio, carga, controle e mais.

Como vimos no artigo anterior, a abundância de pinos representada pela possibilidade de alocação dinâmica também significa que há possibilidade prática de o mesmo conector suportar, no futuro, conexão a aparelhos USB3, ao contrário do atual USB2. Para isso são necessários 2 pinos adicionais (dos 5 "extras" disponíveis), e ainda sobrariam 3 para outras funções em paralelo.

Novo conector do iPhone 5, em resumo

O conector Lightning é um fato previsto para ser de longa duração, e assim espero: mudar padrões não é bom mesmo se for uma vez a cada 10 anos, mas mudar várias vezes é um desrespeito.

Os principais pontos negativos que pesam contra o Lightning para mim são:

  • A mudança em si, que inevitavelmente torna incompatíveis (ao menos por via direta) os acessórios feitos para a versão anterior
  • A perda da oportunidade de adotar um padrão aberto, não que eu genuinamente esperasse isso (mas essa ao menos é minorada pelos aspectos positivos do Lightning em relação ao Micro USB).
  • O lançamento ter ocorrido só com os adaptadores mais básicos, e antes de estarem prontos os adaptadores para os antigos cabos que convertiam Dock de 30 pinos para HDMI ou VGA

E os pontos positivos que os contrabalançam são:

  • Tamanho menor que permitiu reduzir as dimensões do iPhone
  • Reversibilidade: não há restrição da posição de encaixe, funciona até "de cabeça para baixo"
  • Maior robustez, reduzindo oportunidades de quebras e queimas (embora essa situação nunca tenha me ocorrido)
  • Adaptatividade: são "só" 8 pinos, mas todos eles são digitais e podem ser alocados dinamicamente às funções necessárias a cada aplicação
  • Versatilidade: além da conexão de dados comum (estilo USB) e carregamento, o mesmo cabo pode ser usado (inclusive simultaneamente sem concorrência, dependendo da aplicação) para transmitir vídeo HD, áudio, imagens, controle e mais.
  • Compatibilidade do conector (ainda que meramente potencial, pois é cedo...) com conexões USB 3.

Afinal, se é pra mudar, que ao menos haja vantagens!

Comentar

Comentários arquivados

Artigos recentes: