Bateria do iPhone pode durar mais: um profissional explica como fazer

Quando um ex-técnico em iOS da Apple adota como missão pessoal descobrir como fazer durar mais a carga da bateria dos iPhones dos usuários em geral, todos temos a ganhar.

Scotty Loveless trabalhou durante 2 anos para a Apple, como técnico em iOS e prestando atendimento especializado no Genius Bar de Apple Stores, e lá percebeu que o problema mais difícil de resolver trazido pelos usuários era a durabilidade da bateria.

Mesmo depois de ter saído de lá, ele continuou na missão de descobrir a razão específica da variação do consumo de bateria no iOS, e agora reuniu em um longo e bem detalhado artigo (atualizado para o iOS 7.1) tudo o que descobriu da sua experiência prática sobre o que faz o iPhone dos usuários em geral acelerar o consumo de bateria.

E o mais interessante: ele abomina a ideia de que para reduzir o consumo de bateria o usuário deve desativar recursos úteis do iOS. Basicamente ele identificou quais os comportamentos de apps e dos próprios usuários que prejudicam a duração da carga da bateria, e os apresentou em ordem de interesse, sem alterar muito a configuração do sistema em si.

Para os usuários avançados, ele começa com uma dica de como analisar, ao longo de 5 minutos, duas das estatísticas disponíveis nos Ajustes do seu iPhone que permitirão verificar rapidamente se você tem um ou mais apps impedindo o iOS de economizar energia da forma prevista pelo sistema.

Para os usuários "comuns" ele começa com a mais específica de todas as dicas: desativar, para o app do Facebook o acesso aos serviços de localização e a atualizações em segundo plano. Segundo ele, o popular app do Facebook é especialmente mal-comportado e desativar esses 2 recursos basta para resolver o problema da maioria dos usuários.

As outras dicas são mais gerais e se aplicam a apps que você identificar na sua própria realidade de uso, bem como ao próprio comportamento do usuário – por exemplo, ele explica por que o procedimento comum (e errado) de periodicamente forçar o encerramento de todos os apps prejudica a duração da carga, exatamente ao contrário da expectativa de quem recorre a isso.

Recomendadíssimo. Leia na íntegra: The Ultimate Guide to Solving iOS Battery Drain — Overthought.

App IFTTT chega hoje ao iPad trazendo ainda mais opções de produtividade

O IFTTT está chegando ao iPad e sua nova versão trará junto a capacidade de enviar mensagens para o serviço de notificações do iOS e de gerar ações quando você tirar fotos dentro de determinada área geográfica.

IFTTT (If This Then That) é o cada vez mais popular serviço on-line que automatiza ações definidas pelo usuário, e as executa quando detecta eventos em outros serviços on-line ou no seu ambiente. Para exemplificar, ele pode criar uma anotação no Evernote sempre que você tirar uma foto com o iPhone, ou gerar um arquivo no seu Dropbox sempre que você marcar com estrela um e-mail no Gmail.

A versão para iPhone foi lançada em julho, e atualizada em dezembro para tirar proveito de ainda mais recursos do iOS. E hoje é o dia em que chega à App Store a versão específica para o iPad, tirando proveito da tela maior e acrescentando algumas ações e monitoramentos interessantes.

A tela grande do iPad facilita navegar entre as 'receitas' de ações e eventos compartilhadas por outros usuários, e de modo geral torna mais agradável a interação com o app, mas em si não oferece nenhum recurso fora do alcance das versões anteriores para o iPhone, que já permitiam gerar eventos nos casos de nova foto, novo lembrete, lembrete completado, novo contato, entrar ou sair de determinada área geográfica e mais.

As novidades mais interessantes – e também disponibilizadas na versão para o iPhone que chega hoje – são os novos recursos de ação e monitoramento: um canal específico para gerar notificações no iOS, e a capacidade de gerar um evento quando você tirar uma foto especificamente em determinada região geográfica.

Os usos possíveis do IFTTT para automatizar e tornar mais produtiva a sua vida são cada vez mais numerosos, e toda visita que eu faço à sua biblioteca de receitas me enche de ideias adicionais. A sua disponibilidade no iPad será um motivo a mais para eu integrá-lo melhor ao meu fluxo de atividades.

Uma coleção de ferramentas avançadas, úteis e gratuitas para usar no Terminal

Fã do Terminal disponibiliza um guia ilustrado de aplicativos e utilitários que você pode usar para tirar ainda mais proveito do seu sistema.

O OS X é, certificadamente, um sistema operacional UNIX1, e por isso – entre outras características – tem possibilidade de rodar uma série de ferramentas feitas para o UNIX ou para seus clones.

Quem está acostumado a usar o Terminal sabe que naquele ambiente textual é possível realizar algumas tarefas com um grau de controle sobre o resultado que frequentemente não está disponível nas ferramentas do modo gráfico – e às vezes a própria funcionalidade oferecida no Terminal não está incluída nas ferramentas gráficas que o usuário tem à sua disposição.

O arquiteto de software Kristof Kovacs publicou uma coleção de ferramentas para uso no Terminal que ilustra muito bem essas características. São ~30 aplicativos (alguns clássicos, outros obscuros) como os da amostra acima, para auxiliar o desenvolvimento de software, utilitários de configuração e gerenciamento de rede, utilitários para ampliar os recursos do próprio Terminal, e até aplicativos "tradicionais" como controle de tarefas/pendências, gerenciamento e transferência de arquivos, controle de despesas e mais.

Algumas das ferramentas já vieram instaladas no seu Mac. Quanto às demais, a maior parte delas é open source e pode ser compilada por você mesmo, ou – talvez preferencialmente – instalada a partir de um dos vários bons gerenciadores de pacotes para o Mac.

 
  1.  E não um clone, como outros sistemas operacionais atuais que herdam por outras vias a mesma tradição e as mesmas interfaces.

Produtividade no iPad: Troque de app rapidamente dominando os gestos multitarefa

Gestos multitarefa são toques especiais diretamente na tela (sem pressionar nenhum botão do iPad) que permitem alternar entre apps, ver os apps que você usou recentemente, e mais.

Eles vêm ativados no iPad mas, para ter certeza de que estão ativados no seu, você pode ir em Ajustes, clicar em Geral, e verificar a opção "Gestos Multitarefa", como na imagem abaixo:

Usar os gestos multitarefa é bem simples, e veremos um por um, a seguir, com setas indicando o movimento dos dedos na tela.


Fechar o app atual: Basta unir os 5 dedos arrastando-os na tela.

Alternar para o app anterior: arrastar 4 dedos da direita para a esquerda, como se estivesse virando uma página (de fato, você pode "virar" vários apps e, invertendo o sentido do movimento, retornar na direção contrária)

Ver o conjunto de apps recentes: arrastar 4 dedos de baixo para cima. Aí é só tocar no app que você quer ativar.

Além disso, existem os gestos que ativam funcionalidades do iOS, a seguir:

  • Exibir a Central de Notificações: arrastar um dedo para baixo desde a borda superior da tela.
  • Exibir a Busca do iPad: arrastar um dedo para baixo desde um ponto dentro da tela de início.
  • Exibir a Central de Controle: arrastar um dedo para cima desde a borda inferior da tela.

Dominando esses gestos você pode passar menos tempo procurando as funcionalidades, e manter seu foco no que lhe interessa, e não nas sequências de operação ;-)

Perdeu a senha do Mac? Veja como trocar, mesmo sem ter a partição de recuperação

Com algumas teclas durante o boot, e alguns comandos especiais no Terminal, você consegue mudar a senha mesmo sem acessar a partição de recuperação ou um disco externo com o sistema operacional.

Se o seu Mac estava atualizado e com configuração próxima à normal, é relativamente fácil usar a partição de recuperação para trocar uma senha perdida.

Mas nem sempre ela está disponível ou acessível, e aí os 2 métodos apresentados pelo Quinn Nelson e pelo Rob LeFebvre no site Cult of Mac podem ser uma solução ao seu alcance, ainda que exijam um pouco de esforço no teclado.

Ambos os métodos exigem dar um boot em modo monousuário, que é mais ou menos como ter apenas acesso ao Terminal e com ele poder modificar sem restrições qualquer configuração que você souber como mudar.

Para dar um boot em modo monousuário no Mac, ligue-o normalmente, e pressione as teclas +S assim que ouvir o som que o sistema emite na inicialização. Segure-as até ver a animação que parece uma engrenagem rodando.

Quando o boot se completar, você verá uma tela preta e um cursor piscando logo abaixo de algumas mensagens: trata-se de um prompt da shell, similar ao do Terminal, mas com acesso irrestrito ao sistema.

A partir daí, você tem 2 opções, sendo que em ambas será necessário digitar alguns comandos nessa tela.

Opção 1 – trocar a senha diretamente

Essa é a opção mais comum. Após dar boot monousuário como explicado acima, digite cuidadosamente os 4 comandos a seguir, pressionando a tecla Return (ou Enter) depois de cada um deles, e substituindo o seu nome de login e a senha desejada nos locais marcados em verde:

mount -uw /
launchctl load /System/Library/LaunchDaemons/com.apple.­DirectoryServices.plist
dscl . -passwd /Users/login senha
reboot

Ao final dos 4 comandos, o sistema deve reinicializar normalmente, e você poderá fazer login com a senha que incluiu no 3º comando acima.

Tome cuidado ao transcrever: todos os espaços e todos os símbolos são importantes.

Um detalhe importante: Você precisará reinicializar o seu chaveiro, onde ficam as senhas armazenadas e outras informações convenientes (quando for necessário, o próprio OS X lhe avisará), porque o acesso a ele depende da senha que você não tem mais.

Opção 2 – criar um novo usuário administrativo e usá-lo para mudar a senha perdida

A rotina é parecida com a da opção 1: após dar boot monousuário como explicado acima, digitar cuidadosamente os 3 comandos abaixo, pressionando a tecla Return (ou Enter) depois de cada um deles.

mount -uw /
rm /var/db/.AppleSetupDone
shutdown -h now

Após o 3º comando, o Mac desligará. Quando você ligá-lo novamente, ele agirá como se tivesse acabado de sair da loja e estivesse sendo configurado pela primeira vez, permitindo que você crie um novo usuário (com outro login, claro) que será administrador da máquina.

Após o longo (mas simples) procedimento de configuração, acesse seu Mac com o novo usuário criado, e use-o para acessar as Preferências / Usuários e Grupos e por lá mudar a senha do seu usuário original. Aí é só reiniciar o Mac (ou a sessão) e fazer login com o usuário antigo e a senha que você acabou de cadastrar ;-)

A dica veio do artigo “How To Reset Your Password Without A System Disk

Cuidado com o acesso físico

Como se vê acima, quem tem acesso físico ao Mac (com configuração default) e não tem necessidade de se manter discreto consegue fazer logon mesmo sem saber a senha. O mesmo vale para a maioria dos sistemas operacionais de desktop e até mesmo para alguns sistemas operacionais de servidores.

Se você quiser se proteger um pouco melhor de acesso indevido por parte de quem consiga colocar as mãos no seu aparelho, pode definir uma senha de firmware (pelo menu Utilitários da Partição de Recuperação) ou criptografar o conteúdo do seu disco.

Mas faça isso com muita atenção, porque nestes casos a perda das senhas pode se tornar mais difícil (talvez até inviável, no segundo caso) de superar por meio de recursos do sistema e de suporte, portanto cuidado para não fazer da sua própria precaução a razão da perda do seu acesso aos seus dados!

Boletim BR-Mac: MS Office pela metade, um netflix para revistas brasileiras, e uma capa para iPad com bloco incluso

Fatia do mercado não ajudou o concorrente, um Netflix para ler à vontade revistas brasileiras, o MS Office que chegou pela metade, e uma capa para iPad para quem gosta de papel e caneta por perto: este é o Boletim BR-Mac

  1. Fatia do mercado não conta mais? – Presença nas empresas e governos, pesquisas de mercado “internas” e mais: a MS lançou "o" Office primeiro no iPad e não no Android, e os motivos nos interessam.

    Um artigo enorme do AppleInsider apresentou várias razões pelas quais a Microsoft pode ter preferido lançar o Office antes para iPad do que para o Android. Algumas são mais objetivas (como a qualidade das ferramentas de desenvolvimento, o menor número de modelos e o detalhamento "oculto" das pesquisas do mercado de tablets), outras são bem mais subjetivas.

    Um ponto interessantíssimo do artigo são os comentários de um analista do instituto Gartner explicando um detalhe essencial que ajuda a interpretar as estatísticas indicando que a fatia de mercado dos tablets com Android está crescendo rapidamente e ultrapassou a do iPad faz tempo. [appleinsider]

  2. Por falar no MS Office – Parece mentira, mas não é: o MS Office para iPad foi lançado na semana passada sem a opção de imprimir. No momento a alternativa mais fácil é mandar o doc por e-mail para você mesmo, abrir no iWork do iPad e imprimir. A Microsoft promete atualizar rapidamente. [engadget]
  3. Iba: um Netflix para revistas brasileiras – O serviço on-line Iba, da editora Abril, agora tem uma opção de assinatura estilo buffet, como o Netflix: você paga fixo por mês e acessa quantas edições quiser, das (até) 4 revistas que escolher entre os 28 títulos disponíveis.

    O Clube Iba custa R$ 19,90 mensais, e tipicamente as revistas têm coleções dos exemplares dos últimos 2 anos. O Iba tem apps para leitura no iPad, Mac e mais. [info.abril]

  4. iPad, papel e caneta na mão – Uso o iPad no trabalho todos os dias, mas não na forma de um substituto do papel e caneta para as minhas anotações. As capas Booqpad (com bloco e porta-caneta incorporados) ajudam a tirar o melhor proveito de ambas as tecnologias, cada uma no seu... papel ;-)

    Eu tenho uma e recomendo, mas o novo modelo feito especialmente para o iPad Air é bem superior, e ainda serve de apoio para digitar. O fecho é magnético, ela vem com um protetor extra para a tela, e ainda por cima não é das mais caras: custa US$ 60 (mais frete, taxas, tempo de espera, etc.) [booqbags]

O Boletim BR-Mac é uma lista rápida (e comentada) de notícias e informações que chamaram a minha atenção e podem lhe interessar. Passe o link desta edição para os amigos usuários de Mac e iPad!

Fique sabendo da próxima edição: assine o feed do BR-Mac, siga no Twitter ou no Facebook.

Artigos recentes: